Av Vereador Raymundo Hargreaves, N 98, Fontesville, Juiz de Fora – MG Tel: (32) 2101-1556
EnglishPortugueseSpanish

Pesquisas apontam que o remédio pode diminuir tempo de internação e ele está em uso em diversos países, ainda que sob rejeição da OMS.

O mundo está mais complexo, mas dá para começar com o básico. Veja como, no Manual do Investidor
O antiviral é alvo de intenso interesse com a possibilidade de ser utilizado no tratamento contra a covid-19 desde o início da pandemia. Inicialmente, a medicação foi concebida para tratar outras doenças virais, como hepatite C, Ebola e RSV (vírus que, assim como o Sars-CoV-2, causa doenças respiratórias).

Um estudo de janeiro deste ano, um dos mais recentes sobre o Remdesivir, apontou que a medicação ajuda a impedir o coronavírus de se reproduzir no corpo, inibindo algumas características do vírus. Os autores afirmam que a propriedade é conseguida diante de uma dose alta do medicamento. “Atualmente, é um regime de 5 dias tomando bastante Remdesivir”, disse Kenneth Johnson, co-autor da pesquisa.

A droga, usada desde novembro de maneira emergencial nos Estados Unidos, já foi desaconselhada pela Organização Mundial da Saúde (OMS). A decisão do órgão global aconteceu após uma publicação no jornal de medicina britânico BMJ, no ano passado, apontando que o medicamento não ajudava a minimizar mortes ou o agravamento da doença.

Os especialistas destacaram no BMJ “a possibilidade de efeitos colaterais importantes”, bem como o custo “relativamente significativo e suas implicações logísticas”, já que o remédio deve ser administrado de forma intravenosa.

O estudo, patrocinado pela OMS, analisou dados de mais de 11.000 pessoas em 30 países. Por causa disso, as diversas análises levadas em consideração têm bases de dados diferentes, que muitas vezes são difíceis de comparar e medir, afirmaram especialistas ao jornal americano The New York Times, em novembro.

O medicamento ganhou escopo no início da pandemia de covid-19 após um estudo preliminar divulgado em maio, patrocinado pelo governo americano, apontar que a droga reduzia o tempo de internação de 15 para 11 dias.

Publicado na íntegra em outubro, o estudo apontou que o Remdesivir foi eficaz em reduzir o tempo de recuperação e internação de adultos, se comparado aos placebos e “mostrava evidência de menor infecção do trato respiratório”.

A Anvisa afirmou que optou pela liberação do remédio, até o momento o único que tem em sua bula indicação contra a covid-19, com base em “qualidade, segurança e eficácia”.

Por Thiago Lavado

Remdesivir drug and syringe on black table with reflections and stainless background.

© 2021 Ativa Hospitalar. Todos os direitos reservados.
Desenvolvido por CriaTec